O Marketing Sonoro

By on abril 18, 2012 in Neurobusiness with 0 Comments

A música pode trazer benefícios para os negócios: é o que afirmam estudos sobre o assunto.

O pesquisador americano Gordon Bruner afirma que a música ativa o sistema nervoso, e inclusive, a química do processo cerebral. Assim, ela é capaz de afetar o comportamento humano.

No mundo corporativo esta ferramenta pode ter aplicação prática para incentivar o consumo. Assim como a publicidade, o merchandising, a aromatização e outros elementos visuais, ela é fator influenciador e gerador de negócios. Muitas empresas já a consideram como parte da sua identidade, tão importante quanto a decoração da loja. Elas sabem que o som ambiente pode despertar reações afetivas e cognitivas nos consumidores, criando de forma velada, uma identificação com a marca.

Hoje já existe inclusive o chamado “marketing sonoro”, que nada mais é do que as técnicas de uso da música para influenciar a percepção do produto, empresa e marca pelo consumidor.  A Fnac francesa, por exemplo, tem grande interesse na clientela jovem e investiu centenas de milhares de francos para dispor dos serviços de especialistas em marketing sonoro. À entrada das Fnac Junior, lojas especializadas em jogos para crianças, um jogo de amarelinha, envolvido numa música suave, conduz sutilmente as crianças. No centro, há uma passarela musical e cada degrau ativa uma nota musical. Para atrair e reter os visitantes, a música corresponde à natureza dos brinquedos que eles descobrem. ‘‘É necessário que se saiba, de olhos fechados, que se está nesta loja, e não num concorrente’’, explica Michael Boumendil, inventor desta roupagem sonora. ‘‘A música cria um verdadeiro laço afetivo com o lugar e mergulha as crianças e os pais no universo da marca”, diz.

Para tentar aproveitar ao máximo o espaço de seu ponto-de-venda, algumas empresas têm criado até suas próprias rádios, selecionando seu repertório musical e inserindo comerciais e informações institucionais. Nada mais coerente. Afinal, se a música influencia o estado emocional do consumidor, pode tornar-se uma ferramenta ainda mais útil no incremento do negócio, se for adequada ao seu público-alvo.

Tags: , , ,

About the Author

About the Author: É Neurocientista, Palestrante, Yoguini, Influenciadora Digital e Produtora de eventos na Círculo Produções (http://www.circuloproducoes.com). Já foi Dj, dona de loja, garçonete, assistente de cobrança, vendedora, professora de universidade, webdesigner, fotógrafa, especialista em logística de piloto e dona de Club. Ama a música, o cérebro, o universo, a ciência e escrever. .

Subscribe

If you enjoyed this article, subscribe now to receive more just like it.

Post a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

13 + dezesseis =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Top