Music. Ideas. Awareness

John Cage e a Música do Silêncio.

Mas afinal, o que é música? Ou melhor, o que deve ser considerado música?

Compositor, teórico musical, escritor e artista, o gênio e único John Cage acreditava que tudo o que estamos acostumados a ouvir e chamar de música não deveria necessariamente ser considerado música.

Para ele, o som deveria ser ouvido do jeito que realmente é e somente assim, seria possível estabelecer o objeto, o qual, mesmo que não existisse, existia dessa maneira.

Seu trabalho consistiu principalmente em livrar -nos dos sons tradicionais; das harmonias, melodias e ritmos, para oferecer-nos uma nova sonoridade, livre de qualquer dependência através de uma espécie de sinfonia, com a incorporação de peças de madeira, borracha ou metal, assim como ruídos cotidianos e sons eletrônicos.

Nascido em 5 de setembro de 1912 na cidade de Los Angeles, foi aluno de Schoenberg e Boulez, inovadores musicais. É considerado um dos principais inovadores da música contemporânea e um dos principais percurssores da música eletrônica; acreditava que a mesma era um som sem intermediação, sem intérpretes e sem bajulação.

Seu trabalho é uma completa manifestação sinestésica; suas partituras caracterizam-se por desenhos que tecem visualmente o som e libertam os ouvidos ao permitir que o olhar leia os sons e os ouvidos escutem o desenho.

Trabalhou em cima do conceito do ruído e do silencio, e criou uma nova experiência musical. Também questionou a noção de tempo e espaço onde passado e futuro estariam contidos no presente.

“(…) As fontes sonoras vêm de diferentes pontos no espaço; (…) alguém sentado / numa varanda / numa cadeira de balanço / fumando um cachimbo / olhando a / paisagem que se estende na distância / imagina que / quando essa pessoa / que é qualquer um / está sentada lá / sem fazer nada / está ouvindo sua própria sinfonia (…)”

Cage desenvolveu nas pessoas o próprio sentido e modo de ouvir e provou que a arte não precisa nem deveria ser um produto a ser ostentado e sim, um organismo vivo a ser modulado todo o tempo.

O artista morre aos 79 anos, em Nova York, em 12 de Agosto de 1992.

Conheça melhor o trabalho de Cage:

http://www.johncage.org/
http://www.johncage.org/autobio/indeterminacy2.html#
http://www.johncage.info/index2.html

Tags: , , , , , , ,

About the Author

About the Author:

É blogger, vlogger, neurocientista e Dj de Techno. Já foi dona de loja, garçonete, manager de Djs, assistente de cobrança, vendedora, professora de universidade, webdesigner, fotógrafa, produtora de eventos, especialista em logística de piloto e dona de Club. Ama música, o cérebro, ser do contra e escrever.

.

Subscribe

If you enjoyed this article, subscribe now to receive more just like it.

There is 1 Brilliant Comment

Trackback URL | Comments RSS Feed

Sites That Link to this Post

  1. A música e a impermanência – Parte 2 : MVERZARO | February 17, 2017

Post a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

twenty + 15 =

Top