Music. Ideas. Awareness

Livre Arbítrio existe?

By on July 25, 2017 in Neuromundo with 0 Comments

Minority Report é um filme que conta a história de uma polícia futurista que utiliza 3 videntes que preveem crimes antes deles acontecerem fazendo com que os teóricos autores dos mesmos sejam presos. Esse é um daqueles filmes que sempre me faz pensar. Será que o futuro já está decidido? Será que nós decidimos o futuro? E o livre arbítrio?

As pessoas tendem a considerar na forma abstrata que ninguém pode ser moralmente responsável num universo determinístico, mas quando deparam com uma história sobre pessoas reais envolvidas numa ação covarde, estão predispostas a julgar moralmente, independente do tipo de universo em que vive.

Hummmm. Complicada essa questão. Grande parte das religiões diz que tudo está predestinado. Não vou entrar no mérito religioso da questão. Prefiro me abster ao conhecimento científico atual sobre o assunto.

Livre arbítrio é um tema complicado. Nem a ciência, nem a religião chegaram a uma real conclusão (ou um acordo que seja) sobre o tema.

O conflito que envolve esse problema tem suas raízes num cabo de guerra entre duas formas de cognição humana. Nossa capacidade de reflexão teórica abstrata nos leve a pensar de uma forma, enquanto nossas respostas emocionais mais imediatas nos conduzam na direção oposta.

Benjamin Libet estudou bastante o assunto, ele realizou um experimento bem interessante. Os voluntários tinham que observar um relógio e, mexer o dedo quando tivessem vontade. Ele descobriu que os voluntários somente tomam consciência da ação de mover o dedo, depois dela acontecer no cérebro; ou seja, basicamente nosso cérebro toma as decisões antes de nos darmos conta delas.

Entenda, não é que Deus toma as decisões por nós; basicamente nosso inconsciente toma as decisões de acordo com nossas experiências passadas. Devido ao aspecto evolutivo, nossa intuição é muito mais desenvolvida que nossa razão, portanto, teoricamente, decisões baseadas na intuição seriam muito mais coerentes; porém, o único problema é que nossa intuição se baseia em experiências passadas e toma as decisões de acordo com padrões criados através dessas experiências. Leia mais sobre decisão aqui.

É realmente uma questão controversa. Eu, particularmente acredito na versão de Libet, porém, como diz uma amiga minha: “acredito na astrologia quando me convém”.

Para termos controle das decisões que tomamos é preciso estar no presente e observar com atenção as situações que nos rodeiam; não, não é um papo espiritual, é ciência. O problema é que com toda essa tecnologia que está aí para resolver nossas vidas, focamos cada vez mais no futuro ou no passado e deixamos nossas decisões para o piloto automático.

Tags: , , , , , , , , ,

About the Author

About the Author:

É blogger, vlogger, neurocientista e Dj de Techno. Já foi dona de loja, garçonete, manager de Djs, assistente de cobrança, vendedora, professora de universidade, webdesigner, fotógrafa, produtora de eventos, especialista em logística de piloto e dona de Club. Ama música, o cérebro, ser do contra e escrever.

.

Subscribe

If you enjoyed this article, subscribe now to receive more just like it.

Post a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

thirteen − four =

Top