Informação . Neurociência . Autoconsciência

A Evolução do Autocontrole

By on May 18, 2020 in NeuroSenciência with 0 Comments

O autocontrole é um esforço de auto-domínio sobre nossos comportamentos que requer certa energia do cérebro. Muitas vezes chamada de força de vontade, o autocontrole é capaz de nos garantir um melhor gerenciamento sobre nossos objetivos.

É uma capacidade extremamente necessária e importante nos dias atuais, sem ele, como conseguiríamos colocar em primeiro lugar às necessidades da comunidade, como por exemplo ficar em isolamento e fazer a quarentena? Provavelmente focaríamos nos nossos prazeres e benefícios imediatos e além de prejudicar os outros, não cresceríamos nem nos desenvolveríamos como espécie. Mas, qual será a origem dessa habilidade?

O autocontrole não é algo exclusivo dos seres humanos. Porém, muitas das nossas características modernas como cooperação, cuidado aos vulneráveis e a própria vida em sociedade foram conquistadas graças a ele. Portanto, certamente o autocontrole desempenhou um importante papel em nossa evolução.

Um estudo realizado na Universidade de York, conduzido pela Dra Penny Spikins e pelo aluno de Doutorado James Green procurou demonstrar, através de evidências arqueológicas, a origem do autocontrole na nossa espécie.

O estudo demonstra que nossos ancestrais começaram a desenvolver habilidades para produzir ferramentas mais elaboradas por volta de 500.000 anos atrás. Nele, destaca-se uma coleção de machados de mão de 500.000 anos desenterrados de uma pedreira na vila de Boxgrove, em West Sussex. Seus eixos, altamente simétricos e elaborados, sugerem uma mão de obra cuidadosa, com conhecimento e habilidade acumulados ao longo da vida. Esses avanços no artesanato sugerem que os indivíduos possuíam características que demonstram autocontrole significativo, como à tolerância a frustração e a concentração.

Essas ferramentas mais sofisticadas começam a aparecer na mesma época em que nossos ancestrais hominídeos desenvolviam cérebros muito maiores.

O estudo também procurou replicar os machados descobertos. Foram 16 horas de prática para produzir uma ferramenta semelhante. O principal autor do estudo, James Green, estudante de doutorado do Departamento de Arqueologia da Universidade de York, acrescentou: “Ao decifrar os processos mentais e físicos envolvidos na produção de artefatos pré-históricos, podemos obter informações valiosas sobre as habilidades dos indivíduos que os fizeram.”

Essas ferramentas demonstram aprendizado social e atividade de esforço direcionada para aprimorar as habilidades, características que podem estar relacionadas ao autocontrole, como o investimento de tempo e energia em algo que não produz recompensa imediata, planejamento de futuro e um nível de tolerância à frustração por concluir uma tarefa minuciosa, também fornecem algumas das primeiras evidências de que algo foi deliberadamente feito em uma sequência a partir de uma imagem na mente de alguém.

Referências:

. https://www.tandfonline.com/eprint/QSZ6NDUU7V4CPNEMGKNM/full?target=10.1080/1751696X.2020.1747246

Tags: , , , , , , , , , , ,

About the Author

About the Author: É Neurocientista, Palestrante, Yoguini, blogger, vlogger e Produtora de eventos na Círculo Produções (http://www.circuloproducoes.com). Já foi Dj, dona de loja, garçonete, assistente de cobrança, vendedora, professora de universidade, webdesigner, fotógrafa, especialista em logística de piloto e dona de Club. Ama a música, o cérebro, o universo, a ciência e escrever. .

Subscribe

If you enjoyed this article, subscribe now to receive more just like it.

Post a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

thirteen − seven =

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Top